Home / Economia / Consumidores terão que pagar quase R$ 2 bilhões para cobrir déficit do setor elétrico, diz Aneel
ABR/Agência Brasil

Consumidores terão que pagar quase R$ 2 bilhões para cobrir déficit do setor elétrico, diz Aneel

Compartilhe:

Os consumidores de energia elétrica pagarão R$ 1,937 bilhão para cobrir o déficit do orçamento da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) de 2018. A informação foi confirmada em reunião da diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) desta terça-feira (4). O valor será pago por todos os consumidores na conta de luz.

+ Bandeira tarifária segue no patamar mais alto pelo quarto mês seguido

O valor aprovado nesta terça-feira é maior do que o colocado em audiência pública no dia 7 de agosto. No começo daquele mês, a Aneel havia proposto um aumento de R$ 1,446 bilhão na cota paga pelos consumidores de energia. Após a audiência pública, o valor que os consumidores de energia terão que pagar para cobrir o déficit na CDE aumentou para R$ 1,937 bilhão.

O aumento foi proposto depois que a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), responsável por administrar o fundo, verificou que o orçamento da CDE de 2018 seria insuficiente para pagar todas as despesas.

A CDE financia medidas como:

  • pagamento de indenizações a empresas;
  • subsídio à conta de luz de famílias de baixa renda;
  • compra de parte do combustível usado pelas termelétricas que geram energia para a região Norte do país;
  • o programa Luz Para Todos.

O fundo é financiado principalmente pelos consumidores de energia, mas também recebe recursos de multas aplicadas pela Aneel.

Repasse

A nova despesa será repassada para todas as tarifas que forem reajustadas ainda este ano. Para as empresas distribuidora de energia que já passaram por reajuste em 2018, o valor só será incluído na tarifa dos consumidores em 2019.

Um dos pontos que levou à previsão de déficit na CDE de 2018 foram os empréstimos dados às distribuidoras da Eletrobras que serão privatizadas.

Como a privatização das empresas atrasou – duas das seis empresas ainda não foram vendidas – o empréstimo dado às distribuidoras foi prorrogado, o que reduziu o repasse de recursos da Reserva Geral de Reversão (RGR) para a CDE, afetando o orçamento do fundo. Com isso, o repasse da RGR para a CDE caiu em R$ 829 milhões, passando de R$ 1,307 bilhão para R$ 478 milhões.

Outro ponto de destaque foi o aumento na previsão de gastos com subsídios tarifários – como para irrigantes e para empresas de saneamento. A previsão de gastos com esses descontos tarifários aumentou R$ 1,418 bilhão com relação ao orçamento original da CDE de 2018. Também aumentaram as previsões de gastos com subvenção a carvão mineral e com a compra de combustível para abastecer térmicas dos chamados sistemas isolados, que são regiões que ainda não estão interligadas ao Sistema Interligado Nacional (SIN).

Novo orçamento

Com a revisão aprovada pela Aneel, o custo da Conta de Desenvolvimento Energético em 2018 passou de R$ 18,8 bilhões, para R$ 20, bilhões, um aumento de R$ 1,210 bilhão.

O valor que será pago pelos consumidores é maior do que o aumento da despesa total da CDE porque além de aumento das despesas – com subsídios por exemplo -, houve redução de algumas receitas, como os repasses da RGR.

G1

Leia mais notícias de economia

Veja outras notícias em catoleagora.com

Deixe um Comentário

Deixe uma resposta

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.