Home / Brasil / Justiça autoriza família do DF a plantar maconha para tratar jovem de 16 anos

Justiça autoriza família do DF a plantar maconha para tratar jovem de 16 anos

Compartilhe:

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal autorizou, nesta quinta-feira (5), que uma mãe plante maconha para tratar a doença neurológica da filha, de 16 anos. Desde a infância, a jovem sofre com crises convulsivas, dor crônica e paralisia dos pés e das mãos. A permissão foi dada por três desembargadores da 1ª Turma Criminal, por unanimidade.

+ Justiça do CE autoriza cultivo de maconha a paciente tetraplégico para uso medicinal

Até esta quinta, a família já mantinha alguns exemplares de Cannabis sativa em casa, mas corria o risco de ser punida com base na Lei Nacional de Drogas. Com o habeas corpus, a família está autorizada a manter o plantio e a usar os compostos derivados da maconha no tratamento.

Segundo a advogada que representa a família, Daniela Tamanini, o composto produzido em casa aproveita dois princípios ativos presentes na maconha – o canabidiol (CDB) e o tetrahidrocanabidiol (THC). O primeiro ajuda a evitar as convulsões, e o segundo ameniza a dor crônica enfrentada pela jovem.

Sem o uso regular dessas suas substâncias, a família conta que a adolescente chega a ter 40 convulsões seguidas em uma única manhã. Ao longo dos últimos 16 anos, os pais recorreram a tratamentos convencionais, sem sucesso.

Médicos chegaram a seccionar os tendões das mãos da menina, para tentar reduzir as contrações e o entortamento dos músculos. O uso regular dos derivados da maconha não extingue os sintomas por completo, mas reduz a gravidade do quadro.

“Ninguém pode achar que a maconha que é usada para salvar vidas é a mesma maconha que ‘esculhamba’ o tráfico. São situações completamente diferente, é a chance de mudar a cara da Cannabis”, diz a mãe.

Opção distante

Até o momento, a opção de tratamento mais próxima estava a, pelo menos, dois anos de distância. Um medicamento similar a esse caseiro, que reúne CBD e THC, já é comercializado nos Estados Unidos e em alguns outros países, com o nome comercial Sativex.

Maconha é cultivada em fundação em Santiago, no Chile. Estudo avaliou que canabidiol é eficaz contra forma rara de epilepsia (Foto: Reuters/Ivan Alvarado)

O problema é que o composto ainda não pode ser vendido no Brasil e, mesmo no exterior, só pode ser tomado por pessoas maiores de 18 anos. Segundo a advogada, a autorização para importar o Sativex está em análise pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) desde 2014.

“Para nós, o mais importante era sermos vistos como pais que estão cultivando o remédio da filha. Era a nossa última alternativa, o nosso recurso desesperado”, afirmou a mãe ao G1 e à TV Globo.

“A gente vinha sendo tratado como traficante o tempo inteiro e, pela primeira vez, a gente se sentiu abraçado, ouvido, respeitado no nosso direito de salvar a nossa filha.”

Batalha na Justiça

A família recorreu à Justiça criminal depois que um pedido de liberação do cultivo, feito a uma das Varas de Entorpecentes do DF, foi negado. O novo processo tramitou por cinco meses, sob relatoria do desembargador George Lopes Leite.

Durante esse tempo, Leite foi à casa da família para “ver a realidade de perto”, e se sensibilizou com o caso. Segundo os pais da jovem, além das dores e das limitações físicas, a vida dela era afetada pelo bullying que sofria na escola por “ser diferente”.

Nesta quinta, o voto favorável de George Lopes Leite foi acompanhado pelos desembargadores Sandra de Santis e Carlos Pires. Até as 17h40, o texto completo da decisão ainda não tinha sido divulgado.

“As famílias têm que ser tratada de uma forma coerente com a realidade. Pelo menos parte do Judiciário tem um entendimento humanizado, e é isso que a gente espera, que se envolva de forma diferente, não acusativa”, diz a mãe.

Doença progressiva

Segundo a advogada da família, o déficit de crescimento foi identificado aos 6 meses de gestação. Aos três meses, o bebê foi diagnosticado com a síndrome de Silver-Russell – que não tem sintomas específicos, mas pode causar retardo no crescimento e no desenvolvimento cerebral, além de assimetria entre os dois lados do corpo.

O quadro foi agravado aos 2 anos e 8 meses, quando a criança teve uma infecção no ouvido. Segundo a mãe, a menina teve uma reação alérgica a um anti-inflamatório, e o quadro se complicou ainda mais no hospital. Como resultado, a criança teve um edema (inchaço) cerebral, que levou à sequência de convulsões.

“Essa área do cérebro corresponde ao lado direito, então ficou toda afetada, adormeceu o lado direito. Mas, fica dando choque, isquemia, fazendo com que ela tenha espasmos o tempo inteiro”, conta a mãe.

“Se ela não for medicada, fica dura e se contorcendo o tempo inteiro.”

Luta de muitos

Em março, o Ministério Público Federal em Brasília pediu que o plantio e a colheita da Cannabis sativa – planta da maconha – e a importação de sementes com finalidade medicinal e para fins de pesquisa científica sejam regulamentados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em seis meses.

O pedido do MPF partiu de um inquérito instaurado no ano passado, que verificou o descumprimento de uma decisão liminar da 16ª Vara Federal no DF proferida em novembro de 2015.

Na ocasião, a Anvisa foi obrigada a autorizar a importação do THC e do CBD para o desenvolvimento de pesquisas e uso no controle de doenças neurológicas graves, como epilepsia refratária, mal de Parkinson e esclerose múltipla.

TV GLOBO e G1 DF

© Leia mais notícias em www.catoleagora.com, ou siga a página Catolé Agora no Facebook.

Para informações ou anúncios, entre em contato com o Portal Catolé Agora pelo WhatsApp: (83) 9.9676-1272

Veja Também

Ator paraibano filho de Shaolin ganha prêmio de melhor comediante do ano

O paraibano Lucas Veloso foi eleito o melhor comediante de 2017 no Troféu Melhores do ...

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.