Home / Economia / Justiça da PB sequestra R$ 25 milhões do Estado para pagamento de precatórios

Justiça da PB sequestra R$ 25 milhões do Estado para pagamento de precatórios

Compartilhe:

A Justiça Estadual sequestrou o R$ 25.397.508,48 referente a rendas do Estado da Paraíba para pagamento de precatórios. A decisão foi tomada nesta terça-feira (30). O procurador-geral do Estado, Gilberto Carneiro, informou que já peticionou ao Supremo Tribunal Federal (STF) informando o sequestro e requerendo apreciação urgente da medida de suspensão do bloqueio.

+ Gasolina sobe quase 20% em seis meses no Brasil

A medida havia sido decretada em junho de 2017 e suspensa pela Presidência do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB) para uma tentativa de negociação, que não aconteceu. Por isso, a determinação foi retomada no mês de novembro, para sequestro de um total de R$ 33,9 milhões. Os R$ 25,3 milhões retidos nessa terça correspondem à última parte desse valor que, agora, foi sequestrado na íntegra.

O motivo da determinação foi a ausência de repasse mensal pelo Estado, no valor de R$ 11,3 milhões, nos meses de fevereiro, março e abril de 2017, referente ao pagamento de precatórios. De acordo com o juiz auxiliar da Presidência do TJPB responsável pela pasta de Precatórios, José Guedes Cavalcanti Neto, todo o procedimento legal foi feito, sendo o Estado notificado a pagar em 30 dias, sob pena do referido sequestro.

O presidente do TJPB, desembargador Joás de Brito Pereira Filho, decretou o procedimento, sendo apreendido pouco mais de R$ 3,5 milhões, quando houve a suspensão.

O magistrado explicou que o Estado entrou com uma reclamação no Supremo Tribunal Federal (STF), que determinou ao Tribunal a não utilização dos valores apreendidos até que fosse julgado o mérito.

“A partir de meados de julho, o próprio presidente teve a iniciativa de suspender o sequestro que estava em vigor, na expectativa de um entendimento com o Governo por outras vias, visto que o TJPB vinha negociando e parcelando os débitos dos municípios, sendo perfeitamente viável a possibilidade de acordos neste sentido. Mas eles não ocorreram”, acrescentou o juiz José Guedes.

Uma vez que o Supremo negou seguimento à ação, o presidente do TJPB autorizou a continuidade do sequestro, a fim de reter o recurso que faltava. Até o início de dezembro, após a retomada da determinação, R$ 992 mil haviam sido apreendidos, de modo que o procedimento continuou. “Não foi uma medida nova, apenas a continuidade da que já havia sido decretada que, agora, foi cumprida com o valor total”, esclareceu o juiz.

G1 PB

Leia mais notícias de economia

Veja outras notícias em catoleagora.com

Siga a página Catolé Agora no Facebook

Para anúncios ou informações: WhatsApp (83) 9.9676-1272

Veja Também

Homem é executado com vários tiros de pistola em Sousa

Um crime de morte foi registrado por volta das 10h desta quinta-feira (24) no Jardim ...

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.