Home / Economia / Produtores rurais da PB podem negociar 40 mil dívidas com o BNB até dezembro

Produtores rurais da PB podem negociar 40 mil dívidas com o BNB até dezembro

Compartilhe:

Cerca de 40 mil dívidas com o Banco do Nordeste (BNB) na Paraíba podem ser negociadas até 29 de dezembro de 2017, conforme prevê a Lei 13.340 – Lei de Renegociação de Dívidas. Podem pedir descontos junto à instituição financeira pequenos, médios e grandes produtores rurais, associações e cooperativas que realizaram operações com Banco do Nordeste até 2011.

+ Banco do Nordeste anuncia redução de juros para programa de microcrédito

Até setembro deste ano, já foram renegociadas 5 mil operações. Entre elas, o caso da produtora Gilvanete Farias – da zona rural de Serra Branca, no Cariri Ocidental. Ela estava impedida de fazer investimentos na propriedade há 20 anos por causa de uma dívida de R$ 220 mil. Ela conseguiu um desconto de 90% e conseguiu quitar a dívida pagando R$ 22 mil.

Gilvanete Farias de Barros assumiu o empreendimento em Serra Branca após a morte de seu esposo, Genival de Farias Regis. A operação realizada com o Banco do Nordeste em 1995 foi voltada para a produção de ovinos, caprinos e gado. Com a seca, a família se endividou. Com a renegociação, foi possível quitar o débito e estar apta a novos empréstimos e investimentos.

A proprietária regularizou-se em agosto. “Depois que assinei os papeis fui para casa e chorei de alegria. Esse era um grande desejo do meu esposo antes de falecer”, explica Gilvanete Barros. Com a adimplência resgatada, ela pretende investir na produção de milho e feijão.

Também se beneficiou com a Lei a Associação dos Pequenos Produtores Rurais de Areial, na zona rural de Mogeiro. A dívida de R$ 917 mil foi liquidada em setembro. Os agricultores encerraram o débito com recálculo do valor e desconto de 95%, ao pagarem o montante de R$ 45,9 mil.

O Assentamento Areial dispõe de uma área de 365 hectares. A Associação realizou operações com o Banco do Nordeste em 2002. A comunidade produz milho, feijão, amendoim, gergelim e também tem uma criação de tilápias, mas enfrentou a seca dos últimos anos e permaneceu endividada. Para liquidar o débito, os 27 produtores desembolsaram, cada um, R$ 1,7 mil para totalizar os R$ 45,9 mil liquidados.

Com a quitação, os produtores planejam novos investimentos. “Estávamos com as portas fechadas, pois desde 2011 sofremos com a seca. O pagamento da dívida com a lei foi um ótimo negócio. Estamos planejando novos investimentos e dessa vez teremos as águas do São Francisco passando perto do nosso assentamento”, afirmou o produtor Adilson Teotônio Bispo, um dos agricultores do Assentamento Areial.

Entenda a Lei

A Lei 13.340 permite ao produtor rural de toda a área de atuação do Banco do Nordeste a renegociação e liquidação de dívidas até o dia 29 de dezembro de 2017. A Lei estabelece até 95% de desconto.

Os produtores rurais que liquidarem suas dívidas poderão fazer novas propostas de financiamento, para voltar a investir em suas propriedades rurais.

Para os casos de renegociação, a Lei permite a ampliação do prazo: juros de 1% a 3,5% ao ano; início dos reembolsos apenas em 2021; e parcelas anuais e com direito a bônus por adimplência nas parcelas futuras.

Contudo, a não adesão à renegociação ou liquidação por parte do cliente que tem direito aos benefícios da Lei, fará com que a dívida retorne à condição de inadimplência, com possibilidade de execuções e cobranças.

G1 PB

© Leia mais notícias em www.catoleagora.com, ou siga a página Catolé Agora no Facebook.

Para informações ou anúncios, entre em contato com o Portal Catolé Agora pelo WhatsApp: (83) 9.9676-1272

Veja Também

Foragido da Justiça é preso com banana de dinamite e cocaína no RN

Policiais militares da Ronda Ostensiva com Apoio de Motocicleta (Rocam) apreenderam uma banana de dinamite, ...

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.