Home / Geral / Sérgio Moro ministro: ruim para o juiz, bom para o Brasil

Sérgio Moro ministro: ruim para o juiz, bom para o Brasil

Compartilhe:

Ao topar o desafio e o convite de servir à Nação no Ministério da Justiça, o juiz Sérgio Moro deu ao PT mais uma munição para já enfadonha, e derrotada, narrativa de vitimização do partido, tendo nela o magistrado como o grande protagonista da “conspiração”.

+ Após reunião com Bolsonaro, Moro é confirmado ministro da Justiça

Não se podia esperar outra coisa. Desde o princípio, muito antes de Bolsonaro existir, quando nem se sonhava em Ministério, líderes petistas se valiam desse mesmo discurso para atacar, além de Moro, a imprensa, a Polícia Federal, o Ministério Público. É a tal da “luta política” da qual a sigla se alimenta e se mantém de pé como estratégia máxima da retórica de sobrevivência. Será assim até a ficha cair…

Moro decidiu, mais uma vez, botar a cara pra bater. Sabe, de antemão, que para condenados (de 16 partidos) pelas suas sentenças ele será sempre um algoz, um inimigo a ser combatido, uma ideia a ser enfraquecida num Brasil que se acostumou com a impunidade, com o engavetamento e com a corrupção como regra na engrenagem política.

O juiz renunciou a estabilidade do cargo, aos 22 anos de magistratura, e viu no convite uma oportunidade de consolidar o caminho irreversível da construção de novos parâmetros de combate à corrupção, um desafio apoiado pela sociedade, mas tão abertamente alvejado e asfixiado por caciques políticos de PT, MDB e PSDB.

Antes de aceitar, fez exigências. A fusão de pastas estratégicas garantem autonomia e a certeza de que operações como a Lava Jato não serão ameaçadas em sua independência. Teve a lista de pedidos aceita pelo presidente eleito Jair Bolsonaro. Por que não seguir em frente? Para evitar críticas majoritariamente de quem sempre lhe acusou?

Não. Moro escolheu pagar o preço. Nada de novo para quem sofreu as mais terríveis pressões dos últimos anos e não se quedou e nem se intimidou em cumprir o seu mister de servidor público. Passará um tempo sendo questionado e tendo suas decisões pretéritas associadas à perseguição e interesses pessoais.

Partidarização. É a acusação possível para seus críticos na falta de qualquer nódoa de corrupção, improbidade ou desvio na sua conduta na magistratura. Coisas que sobram no currículo da maioria dos seus detratores.

A inversão de valores não é de hoje. Há um grande esforço para distorcer e transformar quem cumpre seu dever em bandido, ao tempo em que criminosos condenados em primeira, segundo e até terceira instância são ovacionados, louvados e até motivo de procissões de devotos.

A manchete da Coluna Painel, da Folha, de hoje, resume bem a escolha de Sérgio Moro para o Ministério da Justica: “Bolsonaro marca pontos com eleitores, mas abala relação com o Congresso”.

Por que será? Tire suas próprias conclusões.

HERON CID

Leia mais notícias gerais

Veja outras notícias em catoleagora.com

Deixe um Comentário

Deixe uma resposta

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.