Home / Destaque / Corinthians vence o jogo e os pênaltis e é campeão paulista na casa do Palmeiras

Corinthians vence o jogo e os pênaltis e é campeão paulista na casa do Palmeiras

Compartilhe:

A torcida do Corinthians tinha razão em acreditar. Neste domingo, dois dias após receber 37.000 pessoas em um treinamento aberto em Itaquera, o time de Fábio Carille enfrentou um Allianz Parque tomado apenas por torcedores do Palmeiras. Venceu por 1 a 0, com gol marcado por Rodriguinho no primeiro minuto, e levou a decisão para os pênaltis. Da marca da cal, Dudu e Lucas Lima (Fagner Também ) erraram as suas cobranças, definindo o triunfo visitante por 4 a 3 e a conquista do 29º título do Campeonato Paulista.

+ Libertadores: Cruzeiro e Vasco ficam no empate no Mineirão; Grêmio goleia em casa

O Derby foi marcado por polêmicas. Após Rodriguinho aproveitar uma boa jogada de Mateus Vital pelo lado esquerdo do campo para abrir o placar, o Palmeiras se lançou ao ataque em busca do gol que lhe daria o título. Chegou a ter um pênalti assinalado a seu favor pelo árbitro Marcelo Aparecido, que voltou atrás na decisão, e teve que lidar com a disputa da marca da cal.

O Corinthians iniciará a defesa de outro título obtido em 2017 no dia 15 de abril, quando receberá o Fluminense em Itaquera, pelo Campeonato Brasileiro. Por sua vez, o Palmeiras precisará se reabilitar rapidamente, já que jogará contra o argentino Boca Juniors logo na noite de quarta-feira, de novo no Allianz Parque, pela Copa Libertadores da América.

Na entrevista coletiva de sexta-feira, a última antes da final, Roger Machado fez todo o possível para esconder sua estratégia para o Derby. E o questionamento se o Palmeiras iria se defender ou atacar pergunta ficará mesmo sem resposta, já que o Verdão nem teve tempo de se estabelecer em campo antes de o placar ser aberto.

No primeiro minuto, Marcos Rocha deixou a marcação de Mateus Vital para Antônio Carlos. O corintiano passou fácil pelo zagueiro, foi à linha de fundo e tocou para Rodriguinho inaugurar o marcador. Pouco depois, o Verdão empatou com Willian, mas o tento foi corretamente anulado.

O Alviverde passou a aplicar sua marcação pressão, mas o Timão conseguia o desafogo pelo lado esquerdo com Mateus Vital e Rodriguinho. Na mesma faixa do campo, Dudu era o jogador mais agudo do Palestra. O camisa 7 chamou a responsabilidade para receber as bolas e todas passaram por seu pé para armar o time, mas não o capitão não criou jogadas de perigo.

O problema na defesa palestrina nem precisou de orientações de Roger Machado para ser resolvido, já que Fabio Carille colocou Romero pelo lado esquerdo para tentar conter os avanços de Dudu, o que causou o deslocamento de Rodriguinho e Vital.

O Corinthians terminou a etapa inicial mostrando o futebol que o consagrou nas últimas temporadas, enquanto os mandantes não conseguiram apresentar a qualidade que os credenciou a chegar à final. Foram 69% de posse de bola para o Palmeiras e oito finalizações, mas poucas com perigo, contra apenas duas rivais, sendo um gol.

Ao final do primeiro tempo, ficou clara a falta que Felipe Melo faz ao Palmeiras. Mesmo com Moisés, seu substituto, bem na partida, o Alviverde perdeu a saída de três do campo defensivo e não conseguiu inverter uma bola perigosa durante os primeiros 45 minutos.

Polêmica no segundo tempo

O Palmeiras voltou do intervalo com Keno na vaga de Willian. A mudança, além de explorar a jogada individual do camisa 11, visava abrir a defesa corintiana posicionando o atacante na extremidade esquerda, o que poderia permitir infiltrações pelo dos zagueiros rivais.

Keno passou a levar perigo com seus dribles, a posse de bola do Palmeiras só aumentou e o Corinthians apostava cada vez mais em uma postura defensiva para tentar explorar contra-ataques.

Aos 26, a torcida alviverde finalmente pôde comemorar, mas por apenas oito minutos. Dudu tabelou com Lucas Lima e caiu na área, o árbitro anotou pênalti de Ralf e confusão se instaurou no gramado.

À princípio, por mais que os corintianos argumentassem que o volante havia tocado apenas a bola, Marcelo Aparecido se mostrava convicto em sua marcação. A pressão alvinegra, porém, foi forte e após uma conversa com um auxiliar que estava fora do gramado, o árbitro voltou atrás na penalidade.

Os presentes, que bateram recorde de público da história do Allianz Parque gritaram em coro: “Tem um palhaço querendo aparecer e vai morrer”, seguido de “Se o Palmeiras não ganhar olêolêolá, o pau vai quebrar” e “Vergonha”. Oito minutos depois, a partida recomeçou, mas sem emoção e apenas para seguir às penalidades.

GAZETA ESPORTIVA

Leia mais notícias do Esporte

Veja outras notícias em catoleagora.com

Siga a página Catolé Agora no Facebook

Para anunciar no Portal: WhatsApp (83) 9.9676-1272

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.