Home / Política / Heron Cid: Bolsonaro joga e mídia e esquerda mordem isca
Imagem: Adriano Machado/Reuters

Heron Cid: Bolsonaro joga e mídia e esquerda mordem isca

Compartilhe:

O conjunto absoluto dos principais colunistas políticos do Brasil, hoje, pós-carnaval, é unânime: todos criticando, para dizer o mínimo, a inusitada tuitada do presidente Jair Bolsonaro. Fiz questão de ler todos.

Leia também: TCE-PB reprova contas de prefeitura e impõe débito de R$ 255,7 mil a ex-prefeito

Alguns textos transbordaram ira e revolta contra o vídeo de dois homens em gestos pra lá de obscenos num bloco carnavalesco. Nada mais previsível do que a reação da mídia.

Setores influentes da esquerda brasileira seguiram a pisada. Afoita, essa ala já sugere até abertura de impeachment por crime de responsabilidade. Quanta ironia.

A mesma esquerda que considerou golpe o impedimento de Dilma, pilota de um governo que se desmanchou feito sonrisal pelas denúncias de corrupção e crise econômica, agora consegue enxergar, exaltadamente, motivos para afastar o sucessor eleito.

Não se pode esperar de um Bolsonaro comportamento padrão e tradicional, compatível com a instituição Presidência da República.

A eleição dele, sem um programa claro para o País e lastreado essencialmente no anti-petismo, foi a própria expressão de ruptura do status quo.

É inocência querer fazer de Bolsonaro um “politicamente correto”, proferindo frases e empreendendo ações progressistas. Para isso, o Brasil teria eleito Fernando Haddad. O “capitão” fez o papel, desde o princípio, de contraponto. Seu discurso, para o bem ou para o mal, foi assimilado e das urnas saiu vencedor.

Por mais que se discorde, o que o presidente fez no twitter e continuará a fazer até o final do seu mandato é compatível para o que ele se propôs a representar. Bolsonaro não está nenhum pouco preocupado em seguir convenções, em ser elogiado pela imprensa ou aplaudido por movimentos sociais.

Ele escolheu um lado e faz tempo. Sabe para quem fala. Fala para a imensa maioria conservadora do Brasil, formada por cristãos católicos e evangélicos.

Uma legião que se sente desconfortável e repudia cenas (que não representam a festa momesca em si), como aquelas escatologicamente mostradas no polêmico vídeo.

O Brasil é isso, um país conservador, apesar de, contraditoriamente, também ser o “país do carnaval”.

Bolsonaro falou para os conservadores. Quando grita contra ele, a esquerda, sem perceber, entra no seu jogo e, involuntariamente, toma para si o outro lado dessa moeda. Caindo na perigosa armadilha de parecer representante dos protagonistas do degradante atentado violento ao pudor. Tudo o que Jair mais quer…

HERON CID

Leia mais notícias da política

Veja outras notícias em catoleagora.com

Deixe uma resposta

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.