Homem acusado de matar policial militar no PR morre em troca de tiros com a PM de SC

Um homem de 28 anos acusado de matar a soldado da Polícia Militar (PM) Bárbara Aline Gonçalves da Rocha em 2016 no estado do Paraná foi morto em uma troca de tiros com a Polícia Militar em Camboriú, no Litoral Norte de Santa Catarina. Uma mulher estava com ele também morreu.

Segundo a PM, a troca de tiros ocorreu enquanto a polícia realizava cumprimento de um mandado de prisão na quinta-feira (25) contra ele. O homem estava foragido e foi localizado pelos agentes após trocas de informações entre as corporações dos dois estados.

Ao ver os militares, o homem fugiu entrando em uma residência. Ao entrarem na casa para seguir o suspeito, a polícia diz que foi surpreendida pelo homem e pela mulher. Os dois estavam armados e atiraram, ainda conforme a polícia. Os policias revidaram e houve a troca de tiros.

De acordo com a polícia catarinense, a Polícia Militar do Paraná informou ao comando local que o autor do homicídio contra a policial estaria foragido no bairro Tabuleiro. No local, os agentes identificaram o homem do lado de fora de uma casas.

No confronto o casal foi baleado. Os policias militares acionaram o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para prestar socorro, mas eles não resistiram e morreram, segundo a PM.

Nenhum policial ficou ferido. O Instituto Geral de Perícias (IGP) foi acionado para avaliar o local. O G1 não conseguiu contato com a Policia Civil da região para saber se haverá investigação do caso.

O homem respondia pelo homicídio da policial paranaense e tinha passagem por roubo. A mulher, segundo a PM, era suspeita de envolvimento em dois roubos e um sequestro.

Morte da PM

De acordo com a Polícia Militar (PM), um mês antes de ser morta, a policial Bárbara, de 24 anos, impediu um assalto em que o homem estava envolvido e matou um dos comparsas dele durante uma troca de tiros.

Ainda conforme a polícia, o homem e mais dois comparsas sondaram a loja de pescas da família da policial momentos antes de matá-la. Eles entraram, compraram fogos de artifício e pagaram com o cartão de crédito de um deles. Meia hora depois, o homem voltou e abordou a PM, que estava de folga.

Ele tomou a arma da soldado e atirou duas vezes no rosto dela. Depois de matá-la, fugiu de carro. Câmeras de segurança registraram o crime.

O homem foi preso preventivamente em 6 de janeiro de 2017 e condenado a 28 anos de prisão pela morte da PM em 2018.

A Polícia Militar catarinense não soube informar há quanto tempo o homem estava foragido.

Bárbara Aline da Rocha tinha 24 anos e trabalhava havia quatro anos na PM — Foto: Reprodução/RPC

G1 SC