Home / Política / Justiça condena ex-prefeito de Puxinanã por Improbidade Administrativa

Justiça condena ex-prefeito de Puxinanã por Improbidade Administrativa

Compartilhe:

A juíza substituta Carmen Helen Agra de Brito julgou procedente o pedido nos autos da Ação Civil Pública por Ato de Improbidade Administrativa nº 0000718-73.2016.815.0541 ajuizada pelo Ministério Público Estadual contra o ex-prefeito do Município de Puxinanã Abelardo Antônio Coutinho. A sentença foi publicada no Diário da Justiça Eletrônico do TJPB desta quinta-feira (11). Cabe recurso da decisão.

Leia também: Justiça Eleitoral cassa mandato do prefeito de Bom Sucesso-PB

O ex-gestor foi condenado nas seguintes penalidades: Ressarcimento ao erário do Município de Puxinanã, cujo valor será aferido em liquidação; perda da função pública do réu, que, eventualmente, esteja ocupando; suspensão dos direitos políticos pelo prazo de cinco anos; proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de cinco anos; e multa civil no importe de duas vezes o valor do dano, cujo valor será apurado em futura liquidação.

O que embasou a ação proposta pelo Ministério Público foram duas irregularidades apontadas pelo Tribunal de Contas do Estado na prestação de contas de 2005: aplicação no percentual de 12,32% em ações e serviços de saúde e ausência de comprovação de despesas, no valor de R$ 701.019,92, alusivas ao Termo de Parceria firmado com a Oscip, então denominada Centro de Assistência e Desenvolvimento Social (Cads).

O primeiro ponto analisado na sentença foi a falta de comprovação de despesas no valor de R$ 701.019,92. De acordo com a juíza, despesas não comprovadas se amoldam ao que dispõe os artigos 10 e 11 da Lei de Improbidade Administrativa. “Recursos públicos elevados foram retirados dos cofres públicos e repassados à Oscip sem comprovação de contraprestação dos serviços de saúde e de assistência social. Evidencia-se, portanto, a lesão ao erário, sobretudo porque inexiste a comprovação do fornecimento dos serviços de saúde por parte da entidade do terceiro setor”, observou a juíza.

Sobre o montante de 12,32% aplicado em saúde, abaixo do mínimo de 15%, a magistrada destacou que tal fato possui reflexo nocivo, na medida em que o patamar faltoso da despesa – 2,68% – foi direcionado a setor diverso do município. “Com efeito, verifico que o réu violou a determinação constitucional acerca do percentual mínimo dos recursos nas ações e nos serviços de saúde, o que repercute na infringência de norma de eficácia imediata e cogente”, ressaltou.

DICOM/TJPB

Leia mais notícias da política

Veja outras notícias em catoleagora.com

Deixe uma resposta

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.