Pelo menos 13 pessoas morrem após erupção de vulcão na República Democrática do Congo

A erupção do vulcão Nyiragongo, no leste da República Democrática do Congo (RDC) na noite de sábado (22) deixou pelo menos 13 mortos, segundo informações das autoridades. 

Segundo um saldo provisório, “nove delas em acidentes produzidos durante a evacuação da população e quatro na prisão central de Munzenze, de one queriam fugir”, segundo o porta-voz militar local, Guillaume Njike Kaiko.

Em seu avanço, a lava atingiu várias casas, das quais se veem ferros torcidos e carbonizados.

A lava parou de avançar a algumas centenas de metros do aeroporto de Goma, de onde os aviões foram evacuados durante a noite, e onde todos os voos do dia foram cancelados, segundo uma fonte do aeroporto.

Um responsável local da ONU, Diego Zorrilla, informou que quatro bairros foram “diretamente afetados e destruídos” pelo rio de lava, e que a organização apoiará o governo com ajuda humanitária.

Pequenos terremotos

Em Goma, cerca de dez pequenos terremotos foram sentidos desde o amanhecer. 

“Ainda há pequenos terremotos, no caminho de saída do rio de lava para Goma. Temos que permanecer muito atentos”, afirmou um responsável do Observatório de Vulcanologia de Goma, Adalbert Muhindo. “Se esses terremotos provocam uma abertura, esta lava poderia avançar novamente para Goma”, alertou.

Dezenas de milhares de pessoas fugiram para um posto fronteiriço com a Ruanda, ao sul de Goma, e ao sudoeste da cidade, para a região de Masisi.

Em Ruanda, a recepção de milhares de pessoas ocorreu de forma pacífica, canalizada e organizada pelas autoridades.

“Atualmente, os cidadãos da República Democrática do Congo que se refugiaram em Ruanda após a erupção do Nyiragongo estão voltando para o seu país”, informou neste domingo a Agência de Radiodifusão de Ruanda (RBA).

Turistas que se escontravam perto da cratera no momento da erupção do vulcão Nyiragongo estão “sãos e salvos”, informou neste domingo o Instituto Congolês para a Conservação da Natureza (ICCN), órgão de tutela do parque nacional de Virunga, onde se encontra o vulcão.

“Os gorilas da montanha não estão ameaçados”, acrescentou o órgão.

O parque de Virunga, a reserva natural mais antiga da África, inaugurado em 1925, é um santuário dos poucos gorilas de montanha que restam, também presentes em Ruand e na vizinha Uganda. 

AFP