Home / Sem categoria / STJD pune São Raimundo-PA e muda configuração do mata-mata da Série D

STJD pune São Raimundo-PA e muda configuração do mata-mata da Série D

Compartilhe:

Na manhã desta sexta-feira (30) os auditores da Quarta Comissão Disciplinar do STJD julgaram e puniram o São Raimundo-PA pela escalação irregular do atleta Leandro, em partida válida pela quarta rodada da Série D 2017.

+ Há 15 anos o Brasil conquistou o penta; veja como estão os pentacampeões hoje

+ Chile elimina Portugal nos pênaltis e vai à final da Copa das Confederações

O clube foi punido com a perda de três pontos na competição e multa de R$ 1 mil, em decisão unânime.

O resultado do julgamento fatalmente elimina o São Raimundo-PA da competição, que teve o início da segunda fase adiado justamente por conta desse julgamento, e muda quase todos os confrontos do mata-mata da quarta divisão nacional.

Quem está se beneficiando com os efeitos desse julgamento é a Desportiva-ES, que passa a ser uma das 32 equipes classificadas.

Como se trata de uma decisão de primeira instância, o time paraense pode recorrer ao Pleno do STJD.

Mudanças

Com a eliminação do São Raimundo-PA e a “ressurreição” da Desportiva-ES, o diagrama do regulamento da CBF que define os confrontos da segunda fase da Série D muda quase que totalmente.

Dos 16 duelos, 13 serão alterados, dentre os quais os chaveamentos de Campinense e Sousa, como antecipou o Voz da Torcida no início da semana.

Se antes a Raposa enfrentaria a Juazeirense, agora vai pegar o Fluminense de Feira. No caso do Dinossauro, o adversário agora será o Guarany de Sobral ao invés do Flu-BA.

O julgamento

De acordo com comunicação feita pela Diretoria de Competições da CBF, o atleta Leandro Gleidson Diniz Seixas foi relacionado para a partida contra o Baré, no dia 11 de junho, sem possuir contrato ativo na Diretoria de Registro e Transferência da entidade.

Ao relacionar o jogador, o São Raimundo-PA infringiu o artigo 214 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (o mesmo que puniu o Itabaiana) por “incluir na equipe, ou fazer constar da súmula ou documento equivalente, atleta em situação irregular para participar da partida”.

Diante dos auditores, a defesa do clube de Santarém apresentou prova de áudio, com entrevista do delegado da partida, Paulo Romano, afirmando que o atleta não estava no banco de reservas e foi retirado da súmula ao ser constatada a irregularidade antes da partida.

O advogado do São Raimundo-PA, Osvaldo Sestário, sustentou que não houve má fé do clube e, diante de dúvidas quanto a inclusão ou não do atleta na súmula, pediu a absolvição do denunciado.

– Temos a entrevista do senhor Romano para uma rádio de Belém. Ele afirma categoricamente que detectou que o jogador estava com o contrato vencido e duas horas antes da partida ligou na CBF e conseguimos corrigir. O erro apareceu, o delegado do jogo avisou o clube e o jogador foi retirado do jogo. Não foi para o jogo. O artigo 214 diz que incluir na equipe ou fazer constar na súmula. Temos aqui uma dúvida significativa. A CBF em investigação concluiu que houve invasão de hacker e que a súmula foi adulterada – sustentou

– O jogador sequer ficou no banco. Esse delegado realmente avisou que o jogador não tinha condições e esqueceu de tirar o nome dele na súmula. Como pode aparecer uma súmula com o nome dele e outra sem? Apareceram duas súmulas e o jogador não foi para o jogo. Dentro de campo o clube ganhou a vaga e agora está nessa situação. A defesa vem pedir que, em nome dessa dúvida significativa, que absolvam o clube. O São Raimundo agiu de boa fé e que ele permaneça na competição -, acrescentou o advogado do São Raimundo.

Pela Desportiva-ES, o advogado Renato Britto afirmou que não há dúvidas quanto a irregularidade e pediu a aplicação da lei.

– Hoje se decide uma vaga na próxima fase da Série D. Nesse caso especifico, do ponto de vista jurídico, é banal e muito simples. Discussões jurídicas baixíssimas e as provas caminham no sentido único para a punição do denunciado. O artigo 214 é taxativo no sentido da lei de que basta a inscrição na súmula para que se confirme a irregularidade. Na súmula oficial que consta nos autos o atleta está presente – argumentou.

Como provas, o advogado do time capixaba juntou imagens que mostram a presença do atleta irregular no banco de reservas da partida e acrescentou.

– Um IP (protocolo de internet) do Pará, da cidade de Santarém, fraudou a súmula da CBF. A Desportiva, diligente, foi buscar a verdade real dos fatos. O cidadão estava em campo. As imagens foram retiradas do Youtube e constam nos melhores momentos, o atleta no banco e comemorando o gol. Não só constou na súmula como estava no banco. O regulamento tem que ser cumprido da mesma forma que o nosso código. A Desportiva defende a procedência total da denúncia com a condenação do São Raimundo – finalizou.

Com a palavra para voto, o relator Luis Felipe Procópio justificou.

– É incontroverso que o atleta estava sem condições de jogo por não possuir contrato ativo na CBF. O contrato encerrou quatro dias antes da partida em que foi constatada a irregularidade. O artigo 214 não deixa margens para interpretação. A situação do atleta estava irregular e o fato foi reconhecido pela defesa. Foi relacionado para a partida e constou da súmula conforme conclusão da sindicância formada pela CBF para apuração dos fatos. Com pesar, me sinto obrigado a aplicar a penalidade do artigo 214 e punir o São Raimundo com a perda de três pontos obtidos na partida pela irregularidade ao artigo 214 do CBJD e aplico multa de R$ 1 mil – votou .

O mesmo entendimento foi acompanhado pelos auditores José Maria Philomeno e Olímpia Faria, e pelo presidente Luiz Felipe Bulus.

Proferida por unanimidade, a decisão cabe recurso e deve ter um desfecho no Pleno.

VOZ DA TORCIDA

Veja outras notícias em www.catoleagora.com

Acompanhe também nossas notícias no Facebook.

WhatsApp: (83) 9.9676-1272

Deixe um Comentário

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.